Blog,  Miastenia Gravis

Diplopia

Hoje como se comemora o dia Mundial da Visão, venho falar-vos da Diplopia, um sintoma comum dos doentes com Miastenia Gravis e que nos últimos tempos me tem acompanhado.

A DIplopia ou visão dupla é a percepção de duas imagens de um único objeto. A diplopia pode ser monocular ou binocular.

A diplopia monocular está presente quando apenas um olho está aberto.

Diplopia binocular, ocorre com os dois olhos abertos, desaparece quando um dos olhos é fechado.

A presença de diplopia pode dever-se a diversas doenças dos olhos ou doenças sistémicas, podendo estas variar bastante na sua gravidade, desde casos simples até doenças potencialmente graves. Muitas vezes, a diplopia é uma das primeiras manifestações de algumas doenças sistémicas, nomeadamente doenças musculares ou neurológicas, tal como a minha.

Causas da diplopia

– Doenças oftálmicas:

  • Catarata;
  • Ceratocone;
  • Astigmatismo;
  • Estrabismo;
  • Exoftalmia ou proptose;

– Outras Doenças:

Tal como já disse anteriormente, a diplopia pode estar presente devido a outras patologias, sem qualquer relação directa com os olhos, como por exemplo:

  • miastenia gravis;
  • botulismo;
  • síndrome de Guillain-Barré;

Estas são patologias que podem afetar os músculos de todo o corpo, incluindo os músculos que movem os olhos.

  • Esclerose Multipla;
  • Doenças do sistema nervoso;
  • Tumores cerebrais;
  • Acidentes vasculares cerebrais (AVC);
  • Aneurismas;
  • Inflamação ou infecção do olho ou estruturas circundantes (por exemplo, abcessos, sinusite, etc);

Podem também ser a causa para o problema.

Para efetuar o diagnóstico o oftalmologista deverá recolher a história clínica do doente, efetuar a observação do fundo de olho na lâmpada de fenda e pode recorrer a diversos exames complementares, como campimetria ocular, topografia corneana, tonometria, OCT, TAC, RM, etc.

No meu caso o Oftalmologista, como já conhecia o meu histórico após a observação do fundo de olho na lâmpada de fenda, mandou-me fazer um exame que se chama cortina de Hess, que vos irei explicar, noutro artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *